29 de abril de 2015


E assim, enquanto uma multidão desaparece
te encontro, nos parágrafos de que preciso

Dessa forma, vou descobrindo uma brisa leve, nova

(linda)

E enquanto algumas palavras voam,
te observo, no canto de meu olhar.

Quase precisa (quase preciso!)

E assim, em janeiro, enquanto um sol se espreguiça
te encontro, lá onde começa o mar...

Me assusto, viu?

Posto que a forma como que tocas essa alma agride meu ceticismo.

(Linda)

e me devolve àquela onda...

E assim, enquanto tiro o pó de um certo amanhecer,
te encontro bem aqui, onde termina meu poema.

E dessa forma, enquanto em um dia finda minha memória,

te encontro

(linda)

e lavo meus pés de novo (janeiro, bendito janeiro), onda após onda.

Mas só enquanto me quiseres...