30 de abril de 2013

Pássaro

E um dia, o pequeno pássaro apaixonou-se pela praia...

Contou-lhe que ela era toda sua respiração
o brilho que anulava a indiferença pelo rotineiro.

Disse que ela era seu vôo mais alto, seu sentimento mais puro,

sua mais bela poesia.


Ainda assim, mesmo sabendo que não seria possível, gritou seu amor.

e sonhou livre, sem pressa ou medo, completo e indefeso.



E dia após dia, o pequeno pássaro apaixonava-se pela praia...

Cantou ao seu ouvido que ela era todo o seu perfume,
a melodia que aliviou o peso em seu peito.

Disse que ela era seu pouso mais raro, seu conforto mais forte,

sua mais linda canção.


Porém o apaixonado pássaro percebeu que a praia não podia ouví-lo...
assim, despediu-se em canto...

E sem correntes ou ondas, largou-se as alturas, deixando apenas a suave sensação de um beijo.

11 de abril de 2013

Flor

Embriague-me, flor
teu perfume tem a cor da aurora
então, pétala por pétala
amanheça meu sentimento surrado
nublado feito o outono.

Suavize-me, flor
teu olhar tem o sabor do orvalho
então, lágrima por lágrima
desabroche meu coração experiente
esperançoso feito criança.

Encontra-me, flor
um dia.
e quando tua sensibilidade me tocar,
serei um beija-flor na primavera
escravo de tua frágil perfeição.

E em um ramo sem folhas, escreverei:

"Decifra-me, ou devoro-te."

Então, dentro de nossa paz, terás amor.

E cito-me:

"Teria a flor coragem de me entregar seu futuro?"

9 de abril de 2013

Futuramente

Tão constante quanto o próprio sol
pode, desajeitado, ferir o papel.

Nele, o poeta desenha, tem posse.
Fita-lhe então o rosto
aquela delicada flor
então, surpreso por tal atenção

confiante arranha a tinta, e saboreia a promessa:

Teria a flor coragem de entregar seu futuro?