29 de abril de 2015


E assim, enquanto uma multidão desaparece
te encontro, nos parágrafos de que preciso

Dessa forma, vou descobrindo uma brisa leve, nova

(linda)

E enquanto algumas palavras voam,
te observo, no canto de meu olhar.

Quase precisa (quase preciso!)

E assim, em janeiro, enquanto um sol se espreguiça
te encontro, lá onde começa o mar...

Me assusto, viu?

Posto que a forma como que tocas essa alma agride meu ceticismo.

(Linda)

e me devolve àquela onda...

E assim, enquanto tiro o pó de um certo amanhecer,
te encontro bem aqui, onde termina meu poema.

E dessa forma, enquanto em um dia finda minha memória,

te encontro

(linda)

e lavo meus pés de novo (janeiro, bendito janeiro), onda após onda.

Mas só enquanto me quiseres...

3 de novembro de 2014

Ame-se



Seja livre.

Alimente aquele sentimento forte, são estes que criam suas próprias frases.

E siga desejando, mesmo que o contrário teime em se apresentar.

Doe-se.

Não tenha receio em buscar outras paradas, mesmo que o caminho pareça longo.

Apesar de o coração morar livre dentro do peito, só é completo quando junta-se em vida, horizontes, vertigens, amores e ideais.

Vivencie.

Descubra cada manhã sua beleza. Em cada suspiro seu perfume, em cada som sua canção,

em cada lágrima sua esperança.

Refaça-se

Não apegue-se ao conformismo, é que toda mudança seja para melhor.

Então

mesmo que tentem mudar teu texto,rascunhe permanente sua história.

de forma que todos aqueles que cruzem teu caminho desejem não somente fazer parte de apenas um parágrafo ou capitulo, mas sim de toda a história.



5 de setembro de 2014

Brindo

E hoje, vou brindar ao desfortúnio

à pena, pena que encantaste apenas um capítulo

na minha história, esse até agora foi o melhor

deixa um sorriso meio bobo, de canto

quando me recordo de quão bom era

poder te ler


Apenas hoje, vou beber ao disparate

à cólera, triste que viraste apenas uma recordação

recente, mas todas o são a princípio

deixa uma razão meio manchada, de sentimento

quando te sinto em um sonho desbotado

pude te tocar


Somente hoje, vou engolir meu conformismo

à saudade, chato que tocastes apenas um compasso  

linda canção, ter esse tempo ao teu lado

deixa uma sensação de euforia, de conforto

quando me arrumo em fases distintas

posso me confortar


Enfim

Hoje me dei ao luxo de sentir tua falta, encarar tua ausência.

E fitando profundamente naqueles olhos

respiro fundo, preparo-me confiante:

Não me arrependo de nada,

pois

o amor que tive por ti foi o sentimento mais bagunçado

profundo
verdadeiro
me faltam termos, talvez tenha sido um apocalíptico amor.

É, valeu mesmo a pena ter te amado.

5 de junho de 2014

Tempo

E de repente o (meu) mundo move seu eixo

virando

e sinto-me leve.

Deve ser o tal sentido que nunca para,

o fato que respira a oportunidade certa.


E de repente a ocasião pinta sua palavra

vibrando

e sinto-me limpo.

Deve ser o tal andamento que nunca atrasa,

a duraçao de cada parte do compasso.


E de repente (quase que não se nota) o clima esquece a velha estação

vivendo

E sinto-me livre.

Deve ser a tal tempestade que já se vai,

deixando-me leve

limpo

livre.

De forma que o voar alto torna-se uma questão de gosto.

29 de maio de 2014

Corações mansos

Só quem sonha antes de dormir sabe como é acordar para dentro de si.

Pois Sonhar acordado é como definir quanto dos nossos sonhos ascenderão.

E assim, ensaiamos futuros,

Revisando o passado e rascunhando o presente.



Só quem sonha antes de dormir sabe como é o adormecer distinto.

Pois desvendar amores é acreditar em quanto o ineditismo da vida apazigua.

E assim, acreditamos no destino,

Que mesmo inexistente é o nosso maior companheiro.


Só quem sonha antes de dormir sabe qual é a forma mais branda de deixar nossos corações mansos e leves.

E de coração manso o amor se doma.

E de coração leve o amor flui.

E como flui…



Um poema de Luiz Mário e Alessandra Bernardo.